FECHAR
FECHAR
19 de março de 2018
Voltar
ESPECIAL SOBRATEMA - Porto Maravilha

Porto Maravilha: um novo paradigma de intervenção urbana

Requalificação da Zona Portuária do Rio de Janeiro promove a revitalização urbanística de região degradada, criando novos polos econômicos e culturais

 

O velho e o novo no Porto Maravilha: Elevado da Perimetral foi implodido para dar lugar a um novo sistema viário

Com orçamento superior a R$ 8 bilhões, a Operação Urbana Porto Maravilha, foi concebida com o objetivo de requalificar uma área de 5 milhões de m2, na Região Portuária do Rio de Janeiro, uma das primeira ocupação da capital carioca, resgatando-a de um processo de décadas de abandono e degradação. O projeto, no entanto, superou o que estava definido em seu escopo, tornando-se a maior intervenção urbana já realizada no Brasil em muitas décadas.

O projeto, cujas obras ainda não estão totalmente concluídas – considerando que seu plano de execução prevê um horizonte de cerca 15 anos – foi inspirado em grandes ações para recuperação de zonas portuárias degradadas pelo mundo afora, como as de Barcelona, na Espanha, Porto Madero, na Argentina e Londres, na Inglaterra. Mas o Porto Maravilha suplantou a toda, tanto em volume de obras quanto em investimentos.

Trata-se de uma experiência pioneira no Brasil, que inclui a execução de grandes obras de infraestrutura, prestação de serviços públicos e gestão compartilhada do espaço urbano, envolvendo Poder Público e iniciativa provada, através de uma PPP (Parceria Público-Privada).

 

Boulevard Olímpico é espaço dedicado à convivência e corredor para o VLT

Para promover a reestruturação e requalificação do perímetro urbano, visando a melhoria da qualidade de vida de seus atuais e futuros moradores, bem como a sustentabilidade ambiental e socioeconômica da área, a prefeitura do Rio de Janeiro, via Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (Cdurp), contratou, a Concessionária Porto Novo S.A., formada pelas construtoras Norberto Odebrecht, Carioca Engenharia e OAS. O modelo adotado foi de Concessão Administrativa, por um período de 15 anos, renováveis por mais 15.

O contrato previa a reestruturação do sistema viário e de mobilidade da região, com a demolição do Elevado da Perimetral, concluída em novembro de 2014. O elevado foi substituído por duas novas vias: a Avenida do Binário do Porto, com 3,5 km de extensão, e capacidade para 55 mil veículos por dia; e a Avenida Expressa, com 6,8 km, parte na superfície e parte em túnel, no caso, o Túnel Prefeito Marcello Alencar, com 3,02 km, considerado o maior túnel urbano no Brasil.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral