FECHAR
25 de julho de 2019
Voltar

MINERAÇÃO

Cada vez mais digital, mineração adota modelo 4.0

Para garantir competitividade mundial, é necessária muita tecnologia. Com a digitalização, o setor ruma para o conceito de mineração 4.0, com sistemas autônomos e inteligência artificial
Fonte: Assessoria de Imprensa

A mineração é uma atividade econômica muito importante para o Brasil. Atualmente, o minério de ferro é o terceiro item na pauta de exportações do país, atrás somente da soja e do petróleo.

No primeiro semestre, foram exportados US$ 9,7 bilhões em minério de ferro brasileiro, o que representou alta de 5,5% sobre o mesmo período de 2018, segundo dados do Ministério da Economia.

Para garantir competitividade mundial, é necessária muita tecnologia. Com a digitalização, o setor ruma para o conceito demineração 4.0, com sistemas autônomos e inteligência artificial.

O Brasil é referência mundial em mineração, tanto que o chefe do escritório de digitalização em mineração dathyssenkruppglobalmente (com sede na Alemanha), Bruno Castro, é um brasileiro.

Especializada em soluções para mineração no Brasil, a thyssenkrupp aplica a digitalização em todos os seus processos, que conta com portfólio de mais de 200 soluções de máquinas e sistemas, desde a mina até o porto.

“Nos últimos 10 anos, triplicamos o ritmo de inovação em nossas máquinas, principalmente na parte de sistemas. Um cliente, hoje, continua co...


A mineração é uma atividade econômica muito importante para o Brasil. Atualmente, o minério de ferro é o terceiro item na pauta de exportações do país, atrás somente da soja e do petróleo.

No primeiro semestre, foram exportados US$ 9,7 bilhões em minério de ferro brasileiro, o que representou alta de 5,5% sobre o mesmo período de 2018, segundo dados do Ministério da Economia.

Para garantir competitividade mundial, é necessária muita tecnologia. Com a digitalização, o setor ruma para o conceito demineração 4.0, com sistemas autônomos e inteligência artificial.

O Brasil é referência mundial em mineração, tanto que o chefe do escritório de digitalização em mineração dathyssenkruppglobalmente (com sede na Alemanha), Bruno Castro, é um brasileiro.

Especializada em soluções para mineração no Brasil, a thyssenkrupp aplica a digitalização em todos os seus processos, que conta com portfólio de mais de 200 soluções de máquinas e sistemas, desde a mina até o porto.

“Nos últimos 10 anos, triplicamos o ritmo de inovação em nossas máquinas, principalmente na parte de sistemas. Um cliente, hoje, continua com a mesma máquina, mas quer automação”, explica Castro.

Assim, a digitalização aumenta significativamente a eficiência dos processos. Sem falar daconsequente redução nos custos de produção.

Fase de mineração

A maioria dos processos ainda está na etapa de automação avançada, quando máquinas funcionam sem operador, baseadas em algoritmos, mas sem integração e sem inteligência artificial.

Segundo Castro, a tendência atual é a digitalização da atual automação avançada, sendo um importante passo em direção à mineração 4.0. Nessa fase, a máquina manda dados o tempo todo para a nuvem, que, por sua vez, devolve os dados à máquina, indicando como funcionar melhor.

“É uma digitalização que traz maior segurança e apresenta uma automação interessante ao cliente”, explica.

O objetivo final, porém, é a mineração 4.0, abrangendo todos os ativos do cliente, de forma integrada. O que deve chegar por volta de 2030.

“É nosso sonho, é a nossa visão. Ele vai surgir quando todas as máquinas estiverem na rede, conectadas, mandando informação para a nuvem e recebendo dados em troca”, afirma Castro.

“Nesse momento, conseguiremos ter sistemas unificados de 30 máquinas ou mais. Além disso, haverá automação total das máquinas, que poderão optar pela mineração mais produtiva para a empresa.”

Início da mineração

Por enquanto, a thyssenkrupp apresenta os níveis mais avançados de digitalização em cada uma das três fases da mineração.

Primeiramente, há osmining systems (extração). É a fase da mineração do terreno em si, a céu aberto ou debaixo do solo, com as gigantes escavadeiras, transportadores de correia, dentre outros.

Aqui, há um nível de complexidade maior para a digitalização. Afinal, as máquinas estão em maior liberdade pelo terreno e é difícil automatizar todos os processos envolvidos nessa fase.

Ou seja: o mercado de máquinas em geral está em um nível de mineração entre 2.0 e 2.5.

“Esta fase está chegando na maturidade agora. Estamos desenvolvendo diversos projetos globais para acelerar o avanço da tecnologia”, diz o executivo da thyssenkrupp. “O ambiente altamente mecanizado está ficando bem mais automatizado e digitalizado”.

Minério Digital

Depois, há ominerals processing (processamento). É a britagem e beneficiamento do minério, onde se faz uma espécie de aprimoramento do que foi minerado na primeira fase.

“Está numa fase muito madura de digitalização, de 3.0. Já funcionam sem operadores e mandam informações diretamente para a nuvem, onde depois tratamos por algoritmos”, diz.

É possível dizer, por exemplo, porcentagem de material de boa qualidade e a melhor maneira de minerar na região. Tudo por meio dos dados captados pelas máquinas digitalizadas. Assim como aumentar a eficiência do beneficiamento, reduzindo tempos de downtime (períodos em que um sistema não está disponível) e prevendo com melhor antecedência as manutenções dos equipamentos envolvidos.

Em seguida, há também omaterials handling (manuseio e escoamento). Essa fase inclui o pátio de estocagem, em que se aplica inteligência para saber onde cada material foi estocado e quais são as características de cada um.

Com isso, todos os materiais são dispostos automaticamente nos devidos vagões e cria-se rastreabilidade durante todo o trajeto até o porto.

Depois, digitalização no próprio processo do porto. Operadores, agora, não precisam mais operar máquinas. Apenas necessitam monitorar e comandar sistemas.

Assim, esta é uma fase de digitalização madura, de 3.0, onde máquinas de pátio conseguem funcionar sem o operador.

Brasil na mineração 4.0

O Brasil, hoje, possui um papel de destaque na mineração 4.0. A própria divisão de mineração da thyssenkrupp, em 2017, abriu um escritório na Alemanha, seu país-sede, para comandar os processos de digitalização.

E o brasileiro Bruno Castro foi o escolhido para comandar o escritório, que administra as atividades de 16 localidades globais – principalmente Brasil, Austrália, América do Norte, mercado asiático e parte do leste europeu.

“Quando falamos de máquinas de mineração, não tem como não falar sobre o Brasil. Nós somos referências mundiais”, afirma Castro.

O executivo, porém, afirma que ainda há espaço para melhorias e automação avançada no Brasil. Afinal, o mercado de mineração ainda é muito conservador. “Temos oportunidades”, diz. “As mineradoras brasileiras estão interessadas em aumentar a eficiência e segurança”.