FECHAR
24 de abril de 2019
Voltar

CENÁRIO

Confiança dos empresários da construção recua em março

O Iceicon nacional recuou na comparação com fevereiro (63,3 pontos), marcando 59,8 pontos em março
Fonte: Assessoria de Imprensa

O Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção de Minas Gerais (Iceicon-MG) caiu 6,7 pontos entre fevereiro (62,9 pontos) e março (56,2 pontos).

A despeito da queda, o indicador aponta empresários confiantes há cinco meses consecutivos, ao permanecer acima dos 50 pontos – fronteira entre confiança e falta de confiança.

O índice foi 6,2 pontos superior à sua média histórica (50,0 pontos), 5,4 pontos acima do verificado em março de 2018 e o mais elevado para o mês desde 2012 (62,5 pontos).

Contudo, foi registrada a perda de ímpeto do indicador em relação aos patamares observados no final de 2018 e nos dois primeiros meses de 2019. O Iceicon nacional também recuou na comparação com fevereiro (63,3 pontos), marcando 59,8 pontos em março.

O Iceicon-MG é resultado da ponderação dos índices de condições atuais e de expectativas, que variam de 0 a 100 pontos. Valores acima de 50 pontos apontam percepção de melhora na situação atual e expectativa positiva para os próximos seis meses, respectivamente.

O índice de condições atuais decresceu 6,1 pontos entre fevereiro (53,4 pontos) e março (47,3 pontos), e voltou a ficar abaixo da linha de 50 pontos.

O resultado mostra que os construtores perceberam piora na situação atual dos negócios da sua empresa e da economia do estado.

Contudo, o indicador superou em 2,1 pontos o verificado em março de 2018 (45,2 pontos) e foi o melhor para o mês em sete anos.

O indicador de expectativas dos empresários da construção para os próximos seis meses também caiu frente a fevereiro, em 7,0 pontos, registrando 60,7 pontos em março.

Apesar do recuo, o índice apontou empresários otimistas pelo sexto mês seguido, ao permanecer acima dos 50 pontos. O resultado foi 7,2 pontos superior ao de março de 2018 e o mais elevado para o mês em sete anos.

Empresários da construção reavaliam suas expectativas para os próximos meses

A Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais apontou recuo mais intenso da atividade em fevereiro.

O indicador de evolução do número de empregados, apesar da pequena melhora em relação a janeiro, continuou abaixo de 50 pontos, sinalizando queda do emprego.

Os construtores esperam avanço do nível da atividade, das compras de insumos e matérias-primas, dos novos empreendimentos e serviços e das contratações nos próximos seis meses.