FECHAR
FECHAR
12 de dezembro de 2019
Voltar

CONSTRUÇÃO

Consórcio Way-306 é vencedor de leilão para concessão de rodovia no Mato Grosso do Sul

Rodovia MS-306 vai ser administrada por consórcio que investirá R$ 932 milhões na melhoria da infraestrutura durante os próximos 30 anos
Fonte: Assessoria de Imprensa

Em sessão realizada na B3 na semana passada foram abertas as propostas para a concessão da rodovia MS-306, que liga os municípios de Cassilândia, Chapadão do Sul e Costa Rica, no Estado do Mato Grosso do Sul.

O lance vencedor foi a outorga de R$ 605,3 milhões, apresentado pelo Consórcio Way-306, que vai administrar os quase 220 quilômetros da rodovia durante os próximos 30 anos.

O projeto tem investimentos previstos em R$ 932 milhões em obras de infraestrutura na rodovia ao longo do período de concessão.

O consórcio é formado pelas empresas GLP, Engenharia e Comércio Bandeirantes, TCL, Senpar e TORC.

Segundo o diretor de Investimentos em Infraestrutura da GLP Brasil, Danillo Marcondes, o consórcio reúne quatro companhias com know-how em concessões rodoviárias, unindo-as à experiência da GLP em investimentos no setor de logística.

As empresas Engenharia e Comércio Bandeirantes, TCL e Senpar são ex-acionistas da concessionária de rodovias MGO.

Já a Torc é acionista da concessionária Tebe. “A MS-306 é rota para o escoamento da produção de grãos de uma região importante para o agronegócio brasileiro em direção aos portos do Sudeste”, comenta Marcondes.


Em sessão realizada na B3 na semana passada foram abertas as propostas para a concessão da rodovia MS-306, que liga os municípios de Cassilândia, Chapadão do Sul e Costa Rica, no Estado do Mato Grosso do Sul.

O lance vencedor foi a outorga de R$ 605,3 milhões, apresentado pelo Consórcio Way-306, que vai administrar os quase 220 quilômetros da rodovia durante os próximos 30 anos.

O projeto tem investimentos previstos em R$ 932 milhões em obras de infraestrutura na rodovia ao longo do período de concessão.

O consórcio é formado pelas empresas GLP, Engenharia e Comércio Bandeirantes, TCL, Senpar e TORC.

Segundo o diretor de Investimentos em Infraestrutura da GLP Brasil, Danillo Marcondes, o consórcio reúne quatro companhias com know-how em concessões rodoviárias, unindo-as à experiência da GLP em investimentos no setor de logística.

As empresas Engenharia e Comércio Bandeirantes, TCL e Senpar são ex-acionistas da concessionária de rodovias MGO.

Já a Torc é acionista da concessionária Tebe. “A MS-306 é rota para o escoamento da produção de grãos de uma região importante para o agronegócio brasileiro em direção aos portos do Sudeste”, comenta Marcondes.

“Os investimentos na revitalização da rodovia vão contribuir com o desenvolvimento do potencial da região e também com a economia de todo o país”.

Giovanni Mott, diretor de novos negócios da Bandeirantes, acredita que a parceria entre as empresas reúne conhecimentos complementares para a administração da rodovia.

“Formamos um consórcio que soma empresas com grande experiência na gestão de ativos no setor de rodovias e na área de investimentos em logística. Os investimentos que faremos na rodovia em conjunto com os serviços que serão disponibilizados aos usuários tornarão a MS-306 uma rota mais eficiente e segura”, afirma o executivo.

A concessão da MS-306 marca também a entrada da GLP, gestora global de investimentos especializados em logística, na área de investimentos em infraestrutura no Brasil.

Esse é o primeiro investimento no segmento de rodovias feito pela empresa, que conta com uma equipe dedicada a prospectar e investir em ativos de infraestrutura no mercado brasileiro.

“Estamos acompanhando as oportunidades de investimento e os projetos de concessões que vem sendo anunciados nos âmbitos federal e estadual”, explica Mauro Dias, presidente da GLP no Brasil.

“O Brasil tem uma carência histórica nesse setor, os investimentos têm sido insuficientes e o governo não tem recursos para investir e precisa atrair capital privado para isso. Soma-se a isto o fato de termos um agronegócio muito competitivo, além de um setor de e-commerce em franco crescimento”, conclui.