FECHAR
10 de setembro de 2020
Voltar

Construção sustentável e desenvolvimento econômico do setor

A construção civil está cada vez mais atenta às necessidades da sociedade e ciente do seu papel para contribuir com a preservação do ambiente com soluções cada vez mais sustentáveis
Fonte: Assessoria de Imprensa

*Sergio Domingues

A construção civil é um motor que impulsiona grandes crescimentos econômicos. Na última década o setor foi responsável por 5,5% do PIB nacional, de acordo com dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Em julho de 2020 a construção civil gerou cerca de 42 mil novas vagas de emprego, crescimento de 147,92% em relação ao mês passado.

De janeiro a julho, o setor da construção registrou um saldo positivo de 8.742 novas vagas com carteira assinada, conforme levantamento da CBIC. Mas, o crescente cenário econômico torna também, fundamental, que sejam seguidos cuidados básicos para conter a geração de impactos ambientais. É importante que as empresas busquem alternativas, que sejam mais responsáveis no consumo de recursos como água e energia.

Dentre os cuidados básicos, podemos listar alguns itens que são exigidos para garantir a correta destinação dos resíduos e a preservação de áreas verdes e de espécies arbóreas, tão importantes para dar mais vida à paisagem urbana, além de abrigar e fornecer alimento para diversos tipos de pássaros.

A começar pelo Plano de Gerenciamento de Res&iac...


*Sergio Domingues

A construção civil é um motor que impulsiona grandes crescimentos econômicos. Na última década o setor foi responsável por 5,5% do PIB nacional, de acordo com dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Em julho de 2020 a construção civil gerou cerca de 42 mil novas vagas de emprego, crescimento de 147,92% em relação ao mês passado.

De janeiro a julho, o setor da construção registrou um saldo positivo de 8.742 novas vagas com carteira assinada, conforme levantamento da CBIC. Mas, o crescente cenário econômico torna também, fundamental, que sejam seguidos cuidados básicos para conter a geração de impactos ambientais. É importante que as empresas busquem alternativas, que sejam mais responsáveis no consumo de recursos como água e energia.

Dentre os cuidados básicos, podemos listar alguns itens que são exigidos para garantir a correta destinação dos resíduos e a preservação de áreas verdes e de espécies arbóreas, tão importantes para dar mais vida à paisagem urbana, além de abrigar e fornecer alimento para diversos tipos de pássaros.

A começar pelo Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC), que é um conjunto de informações e documentos que devem conter as diretrizes da empresa para a correta destinação dos resíduos da obra, indicando o tipo de resíduo, como ele deve ser acondicionado até sua remoção, e como deverão ser destinados, priorizando sempre que possível o reaproveitamento e a reciclagem.

Além disso, há uma série de exigências municipais e estaduais com relação à preservação de áreas verdes e permeáveis nos terrenos das obras, o que inclui, em alguns casos, o desenvolvimento de projetos específicos de manejo e compensação arbórea, que servem para compensar ou remanejar árvores que precisarão ser removidas do terreno, de forma a minimizar os impactos ao meio ambiente causados pelas construções.

Mas, para fazer a diferença, as empresas não devem se limitar a fazer somente o básico. A construção civil está cada vez mais atenta às necessidades da sociedade e ciente do seu papel para contribuir com a preservação do ambiente com soluções cada vez mais sustentáveis.

Nesse sentido, há inclusive várias certificações que atestam os cuidados tomados nas obras para garantir maior sustentabilidade nos empreendimentos. São os exemplos das certificações LEED, Procel Edifica, AQUA HQE, entre outras.

Sendo que em alguns casos, o objetivo é certificar que a edificação entregue terá maior eficiência no consumo de energia, ou que o projeto da edificação considerou soluções que privilegiam economia de água com o emprego de sistemas de aproveitamento de chuvas, por exemplo.

Em outros casos a certificação atesta também os cuidados durante as obras, no canteiro e no projeto do empreendimento, valorizando as soluções construtivas que gerem menor impacto ambiental e o emprego de materiais que sejam mais sustentáveis.

Esse é o caso da certificação Aqua HQE, de origem francesa que avalia tanto o projeto do empreendimento quanto as práticas de sustentabilidade empregadas na construção, e que a Tarjab é certificada em todos seus empreendimentos residenciais de São Paulo.

Dentre os cuidados que são adotados nos nossos empreendimentos, destacamos o emprego de técnicas construtivas mais industrializadas, que demandem menor consumo de água e energia na obra para sua fabricação, como é o caso das paredes de drywall, por exemplo.

Essa solução permite reduzir a emissão de CO2 por que a quantidade de caminhões necessária para transportar todo o material é bem menor que a quantidade necessária para o transporte de blocos, cimento e areia para a execução de paredes convencionais, por exemplo.

Além disso, os sistemas industrializados reduzem o desperdício na obra, porque a intenção é de montagem a parede. Não é preciso misturar a argamassa e moldar a parede no local. Isso gera uma redução significativa do número de caçambas com material que seria descartado, além de tornar a obra mais limpa e o ambiente mais seguro, que também são itens avaliados para atestar a sustentabilidade das obras do ponto de vista social.

Também buscamos incluir em nossos canteiros questões de reaproveitamento de água, como a utilização de água de reuso para limpeza de ruas, aproveitamento de chuva para abastecimento de bacias sanitárias e montamos lava-rodas nas obras para reaproveitamento da água usada para a limpeza dos caminhões com terra ou lama para evitar sujar as ruas e causar incômodos na vizinhança – outro aspecto avaliado do ponto de vista de sustentabilidade social, ao buscarmos causar menores impactos à vizinhança das nossas obras.

Nossos produtos trazem soluções que agregam valor para nossos clientes, como a instalação de sistemas que captam a água das chuvas para seu aproveitamento na rega de jardins e limpeza de pisos em áreas externas. Também estamos atentos às mudanças no comportamento do cliente e na sua relação com o ambiente, destinando espaços adequados como bicicletários e pontos para carros elétricos sempre que possível, para que o cliente que busque utilizar essas alternativas mais sustentáveis, e encontre em nossos empreendimentos as condições adequadas para seu dia a dia.

*Sergio Domingues é Mestre em Ciências no Programa em Inovação na Construção Civil pela Poli-USP, membro da Academia Europeia de Alta Gestão, do CTQ Comitê de Tecnologia e Qualidade do Sinduscon-SP