29 de maio de 2019
Voltar

LEGISLAÇÃO

Frente Parlamentar busca retomar obras paradas, que chegam a 5 mil em todo o país

Grupo, que conta com mais de 200 parlamentares, será coordenado pelo senador Wellington Fagundes; prioridade é diminuir o excesso de burocracia e melhorar ambiente de negócios
Fonte: Agência do Rádio Mais

Com pelo menos cinco objetivos pré-estabelecidos, a Frente Parlamentar Mista de Logística e Infraestrutura (Frenlogi) foi relançada no dia 29 de maio, em Brasília, sob a coordenação do senador Wellington Fagundes, MT.

O grupo completará 10 anos em junho e foi reinstalado em março deste ano. Uma das temáticas será o excesso de burocracia no país que, segundo alguns integrantes, atrapalha o avanço de obras importantes, impede o crescimento da competitividade e desperdiça dinheiro público.

Segundo o senador Wellington Fagundes, hoje no Brasil são contabilizadas aproximadamente 5 mil obras inacabadas, todas travadas pela burocracia.

Um dos principais problemas é a falta de licenças ambientais por todo o país, o que atrasa obras e gera custos extras em projetos.

“Na área aquaviária, chega-se a gastar mais em custo de projeto do que na obra em si. O mesmo acontece com as ferrovias. O país diminuiu sua rede ferroviária ao longo desses últimos 60 anos. Precisamos fazer uma grande revolução em termos de investimento, estudo, planejamento, para que a gente tenha infraestrutura eficiente, permitindo assim uma logística também eficiente”, ressalta o senador.

O Relatório Competitividade Brasil, documento elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que o Brasil é o 16º colocado no fator ambiente de negócios, o que reflete a falta de segurança jurídica e o excesso de burocracia.

Nesses quesitos, inclusive, o país é o último colocado, fatores que afetam o setor produtivo. O relatório compara o desempenho de 18 países em nove fatores que têm impacto sobre a eficiência e o desempenho das empresas na conquista de mercados.

O coordenador da Frente, senador Fagundes, explica que o grupo servirá como um meio de discussão para conseguir avanços que permitam ao Brasil dar passos maiores em busca de competitividade e atração de negócios.

“O objetivo principal é fazer também uma mediação com uma agenda legislativa no Congresso Nacional. A infraestrutura diz diretamente sobre o Custo Brasil. Se nós tivermos uma infraestrutura, com uma boa logística, nós vamos diminuir muito o Custo Brasil e ajudar na oportunidade de novos empregos e, claro, também na nossa balança comercial com exportação mais competitiva”, avalia.