FECHAR
FECHAR
12 de março de 2020
Voltar

CONSTRUÇÃO

Principais patologias da construção civil

No caso dos revestimentos, o surgimento destes defeitos e distúrbios se deve a má escolha dos materiais e também às práticas inadequadas de aplicação dos mesmos
Fonte: Assessoria de Imprensa

Trincas; fissuras; porosidade; carbonatação; infiltração; destacamento; rachaduras; gretamento; desbotamento e empolamento são algumas das principais alterações estruturais ou patologias que podem ameaçar ou diminuir o tempo de conservação de edificações da construção civil.

Com maior recorrência em revestimentos de fachadas, paredes e pisos, estes problemas também podem comprometer a resistência do concreto e causar a corrosão de suas armaduras presentes no interior das edificações.

De acordo com o diretor comercial da empresa de revestimentos inteligentes Ecogranito, Renato Las Casas, no caso dos revestimentos, o surgimento destes defeitos e distúrbios se deve a má escolha dos materiais e também às práticas inadequadas de aplicação dos mesmos.

“Caso não haja uma boa escolha dos elementos que irão dar estrutura e suporte a obra, bem como a execução e instalação correta das peças, placas ou insumos que possam constituir o revestimento, é possível que surjam uma série de disfunções nos mais diversos tipos de produtos”, aponta.

Las Casas ressalta que ainda é provável que apareçam patologias construtivas devido a fatores externos, alguns ...


Trincas; fissuras; porosidade; carbonatação; infiltração; destacamento; rachaduras; gretamento; desbotamento e empolamento são algumas das principais alterações estruturais ou patologias que podem ameaçar ou diminuir o tempo de conservação de edificações da construção civil.

Com maior recorrência em revestimentos de fachadas, paredes e pisos, estes problemas também podem comprometer a resistência do concreto e causar a corrosão de suas armaduras presentes no interior das edificações.

De acordo com o diretor comercial da empresa de revestimentos inteligentes Ecogranito, Renato Las Casas, no caso dos revestimentos, o surgimento destes defeitos e distúrbios se deve a má escolha dos materiais e também às práticas inadequadas de aplicação dos mesmos.

“Caso não haja uma boa escolha dos elementos que irão dar estrutura e suporte a obra, bem como a execução e instalação correta das peças, placas ou insumos que possam constituir o revestimento, é possível que surjam uma série de disfunções nos mais diversos tipos de produtos”, aponta.

Las Casas ressalta que ainda é provável que apareçam patologias construtivas devido a fatores externos, alguns deles de difícil controle, como, por exemplo, o excesso de umidade.

“Conhecido por ser um dos danos mais comuns, e também um dos mais graves, as infiltrações são ocasionadas pela má instalação hidráulica que, consequentemente, leva a vazamentos de água entre as estruturas da obra. Os estragos acarretados por este equívoco podem dar origem a focos de mofo e destruição da pintura de paredes, podendo, também, ocasionar algo mais grave, como a corrosão de estruturas metálicas”, adverte.

No âmbito dos revestimentos, cada tipo pode apresentar uma forma de patologia específica. “Os cerâmicos costumam sofrer com a ocorrência de destacamentos, fissuras, trincas, gretamentos, manchamentos, eflorescências e deterioração de juntas. Já os revestimentos argamassados podem ser atingidos pelas patologias do bolor, vesículas e deslocamentos”, destaca.

Conforme o especialista, para que tais anomalias sejam evitadas, é preciso que a obra tenha por base um bom planejamento, conte com materiais de confiança e coloque em prática a execução correta de todas as normas de aplicação dos produtos.