FECHAR
FECHAR
10 de abril de 2019
Voltar

ENERGIA

Sil aposta em crescimento de mercado fotovoltaico

Empresa apresenta a linha de produtos voltada a sistemas de energia solar na 25ª edição da Feicon Batimat
Fonte: Assessoria de Imprensa

A Sil Fios e Cabos Elétricos, que atua no segmento de cabos e fios de baixa tensão, mostrará na 25ª Feicon Batimat, que acontece até o dia 12 de abril, sua linha de produtos AtoxSIL Solar.

Com isolação e cobertura resistentes a chama e com baixa emissão de fumaça e gazes tóxicos na presença de fogo, o cabo é destinado a sistemas fotovoltaicos, sendo também resistente à salinidade, radiação UV e umidade.

Com mais de 80 mil visitantes em 2018, 65% dos quais respondendo pelo segmento de varejo de materiais de construção, a Feicon Batimat é consolidada como um momento especial no calendário da companhia.

“Vamos aproveitar a feira para mostrar o AtoxSIL Solar  pela capacidade do evento de reverberar esse tipo de inovação, gerando maior interesse e debate” explica Pedro Morelli, gerente comercial e marketing da Sil.

“O crescimento da utilização da chamada energia limpa é fundamental, não só em termos ambientais, mas operacionais pois essa energia está disponível em grande quantidade no Brasil, desde um grande centro urbano até em localidades isoladas na Amazônia. Além disso não depender apenas da energia elétrica convencional potencializa ainda mais a alternativa fotovoltaica”, destaca Nelson Volyk, gerente de engenharia de produto da SIL.

O Cabo AtoxSil Solar levou em conta na sua concepção, afirma o executivo, o crescimento das instalações fotovoltaicas no Brasil, que fazem do nicho uma oportunidade cada vez mais proveitosa.

Segundo dados da Renewable Energy Policy Network for the 21th Century (REN21) – órgão multinacional de difusão de conhecimento sobre energias renováveis que conta com o apoio, entre outras organizações, da ONU, associações industriais e governos de todo o mundo – o Brasil é o 10º país que mais investe em energia solar no planeta.

Segundo a publicação, mesmo apresentando dificuldades econômicas, o país viu crescer entre 2016 e 2017 o investimento no setor, chegando a marca de US$ 1 bilhão.

No mesmo período, segundo o estudo, a energia solar foi a única modalidade de energia renovável do país que não apresentou redução ou estagnação no investimento.

Os efeitos dessa tendência começam a ser cada vez mais sensíveis no dia a dia. Segundo a mesma publicação, em dezembro de 2018 o Brasil contava com 48.613 sistemas fotovoltaicos instalados, responsáveis pela geração de 1,84GW. Em 2016, este montante atingia aproximadamente 0,2GW.