Banner
Matérias > Edição 3 > Construção civil > Aeroportos
04 de maio de 2010 - 00h09

Opus/Sobratema treina Operadores de máquinas na Líbia

O Instituto Opus, braço da Sobratema dedicado a formar e capacitar operadores de equipamentos pesados para a construção civil, com certificação reconhecida pelo mercado, acaba de ser contratada pelo Libyan Consolidated Constructors, consórcio responsável pelas obras de ampliação do aeroporto internacional da capital, Trípoli, para dar treinamento especial aos operadores de máquinas que vão atuar nas obras.

Durante 45 dias, o instrutor da Opus, Alexandre Bonfim Camargo, ministrará, em inglês, naquele país, cursos de capacitação para 38 operadores de guindastes móveis, 14 operadores de gruas e 16 sinaleiros. Para a realização dos cursos o governo líbio montou um centro de treinamento que conta com três simuladores de gruas e três de guindastes móveis. A ideia é criar uma elite de operadores para que o país não dependa de mão de obra especializada, importada de outros países, nas próximas obras de grande porte.

A obra está sendo executada em joint venture entre a Construtora Norberto Odebrecht, a empresa turca Tepe Akfen (TAV) e a empresa grega CCC – Consolidated Contractors Company. A Odebrecht lidera o consórcio com 50% de participação. A Aéroports de Paris – Ingénieurs, Designers and Planners (ADPi), empresa subsidiária da Aéroports de Paris (ADP), foi contratada pela Libyan Civil Aviation Authority para elaborar o projeto executivo de engenharia e efetuar a supervisão das obras.

O projeto prevê a construção de dois novos terminais do Aeroporto Internacional de Trípoli, a um custo estimado em 970 milhões de euros. Os novos terminais de passageiros estão sendo construídos em torno do aeroporto internacional atual, e terão uma capacidade total prevista de 20 milhões de passageiros por ano.

A área total de construção dos dois terminais será de 325 mil m², onde serão instaladas mais de 6.500 estacas e aplicados 460 mil m3 de concreto. Cada um dos dois terminais terá 78 posições de check-in, 410 m de esteiras para bagagem e 16 portões, cada um deles com duas pontes de embarque e desembarque, o que possibilitará a operação simultânea de até 64 aeronaves nos dois terminais. No total, os novos terminais terão capacidade para 20 milhões de passageiros por ano.

Além disso, as pistas de acesso e o estacionamento poderão acomodar 4.400 carros e haverá 156 posições para check-in, além de 32 portões, cada um com duas saídas para embarque.

A expectativa é de que sejam gerados mais de 3.500 postos de trabalho no canteiro e, durante o pico das obras, 5.500 postos, com homens de 26 diferentes nacionalidades. Além disso, estão sendo utilizados cerca de 500 equipamentos pesados. A construção do primeiro terminal está com as subestruturas quase finalizadas e em um ano já consumiu mais de 200 mil m³ de concreto.

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral - Apoio editorial: Revista Grandes Construções. Reprodução apenas com permissão dos editores e com o devido crédito.

Segurança e Privacidade