Notícias > Emprego
26 de outubro de 2017 - 01h03

Contratação na construção civil mostra recuo

Segmento, na Região Metropolitana de Campinas (RMC), registrou fechamento de postos de trabalho em setembro, mas acumulado dos últimos nove meses ainda registra saldo positivo

O segmento da construção civil, avaliado na Região Metropolitana de Campinas (RMC), perdeu 59 postos de trabalho no mês de setembro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego. Saldo ainda está positivo na RMC, em 230 contratações.

Do levantamento relacionando os 19 municípios que integram a base de dados do governo federal (que não considera Morungaba), nove tiveram saldo negativo e nove fecharam o mês com mais admissões que demissões. De acordo com a pesquisa do Caged, em setembro foram admitidos 119 trabalhadores com carteira assinada e demitidos 178, com saldo de 59 postos fechados no setor.

O pior desempenho no mês de setembro foi no município de Indaiatuba, que apresentou um saldo negativo de 77 vagas. Entre as cidades com saldo positivo destaque para Monte Mor com 34 vagas, Campinas com 24 postos e Americana com 21 contratações no mesmo mês.

Campinas

No acumulado do ano, de janeiro a setembro, o saldo de empregos na Região Metropolitana de Campinas (RMC) ainda está positivo em 230 contratações. No período, foram contratadas 1.419 pessoas e demitidas 1.189. Dentre os 19 municípios pesquisados, Campinas tem o maior saldo positivo em nove meses, com 631 vagas abertas, seguida por Monte Mor com 298 postos.

Por outro lado, Indaiatuba segue sentindo com maior intensidade os reflexos da crise no setor. Em um período de nove meses, o município acumula 887 postos fechados, seguido por Hortolândia, com 100 vagas eliminadas. Somente quatro municípios se mantiveram no vermelho. Os outros 15 estão com saldo positivo.

No acumulado dos últimos 12 meses, de acordo com o Cageg, a RMC tem saldo negativo de 1.969 postos de trabalho. Foram 2.647 demissões no intervalo de período, contra 678 admissões. Mais uma vez, Indaiatuba aparece com o pior desempenho, com um acumulado de 1.024 vagas fechadas.

O presidente da Associação das Empresas do Setor Imobiliário e da Habitação de Campinas e Região (Habicamp), Francisco de Oliveira Lima Filho, disse que os dados do Caged para setembro são preocupantes quando vistos de forma acumulada. Mas há algo positivo quando os municípios são analisados individualmente.

"Vemos que 15 cidades contrataram mais que admitiram no ano, fator que mostra uma recuperação do setor, embora ainda lenta, com retomada de obras", argumenta Oliveira. para ele, este déficit de 1.969 vagas, aferido nos últimos 12 meses, é reflexo da grave crise enfrentada pelo setor em pouco mais de dois anos.

Recuperação

Segundo Oliveira, a recuperação total das vagas eliminadas na Região Metropolitana de Campinas deve levar um bom período até ser totalmente preenchida. "As construtoras já começam a tirar do papel seus lançamentos, mas o inicio das obras e de contratações levam pelo menos seis meses para se efetivarem", destaca. "Acreditamos que até o final do primeiro semestre de 2018 este saldo esteja bem próximo do zero em muitas cidades da região."

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral - Apoio editorial: Revista Grandes Construções. Reprodução apenas com permissão dos editores e com o devido crédito.

Segurança e Privacidade