Notícias > Metrô
24 de janeiro de 2018 - 19h25

Com ágio de 185%, CCR vence concessão de linhas de metrô em SP

Fonte: Folha de São Paulo

Após uma greve para desgastar os planos do governo Geraldo Alckmin (PSDB) e uma disputa judicial que quase suspendeu a realização do leilão das linhas 5-lilás e 17-ouro do Metrô, um grupo liderado pela CCR venceu a licitação com proposta de pagamento que excedeu em 185% a quantia mínima exigido pelo governo paulista.

A empresa já opera a única linha concedida à iniciativa privada no Estado, a 4-amarela, desde 2010. Mas diferentemente da linha 4, quando teve que comprar equipamentos e trens, desta vez ela assumirá as linhas já prontas.

A expectativa do governo é de que a linha 5-lilás esteja nas mãos da concessionária em julho ou agosto, quando mais seis estações do ramal deverão estar prontas.

// Notícias relacionadas
22-02-18 - Governo inicia obras da estação Morumbi da linha...

O governador Geraldo Alckmin (PSDB), que pretende se candidatar à Presidência da República, esteve no anúncio do vencedor do leilão e encapou o discurso de que o Estado deve ser apenas fiscalizador e regulador de certos setores públicos. Ele comemorou ainda o cronograma de futuras concessões paulistas.

"Esperamos ganhos de eficiência e qualidade de serviço para a população", disse.

O lance do grupo vencedor foi de R$ 553,88 milhões –ante os R$ 194,3 milhões mínimos exigidos e uma proposta concorrente de R$ 388,5 milhões. Além desse montante, o grupo terá de pagar 1% de sua receita bruta mensal. A concessão será por 20 anos.

Só dois interessados apresentaram propostas –a competitividade era um dos questionamentos de opositores.

"A participação de dois consórcios ficou dentro do esperado. Não foi um sucesso estrondoso, mas um sucesso relativamente interessante", afirma Marcos Ganut, da consultoria Alvarez & Marsal.

O consórcio ganhador é composto pela CCR (com 83% de participação) e pelo Ruas Invest, que já atua no setor de mobilidade com três operações –entre elas, a linha 4-amarela e a linha 6-laranja. A empresa é um braço do Grupo Ruas, líder no setor de ônibus urbanos em São Paulo.

A proposta derrotada foi do consórcio da CS Brasil, do grupo JSL, que se associou à coreana Seul Metrô.

POLÊMICA

O leilão foi confirmado só na noite de quinta (18), quando a Justiça derrubou liminar que suspendia sua realização.

A decisão provisória atendia a um pedido dos vereadores Sâmia Bomfim e Toninho Vespoli, ambos do PSOL. Eles criticavam a obrigação do governo estadual de compensar eventuais perdas de receita caso o número de passageiros não chegue ao planejado.

A concessão das linhas sofre forte oposição do sindicato dos metroviários, que realizou uma greve na quinta e um protesto na porta da Bolsa de Valores durante o leilão.

Na última semana, a entidade divulgou comunicados falando em direcionamento da licitação à CCR, que acabou sendo a vencedora.

Metrô e CCR negam as acusações. Os metroviários chamaram a concorrência de "jogo de cartas marcadas".

Para Frederico Bopp Dieterich, do escritório Azevedo Sette, o baixo número de concorrentes está ligado à complexidade dos projetos e à crise de empreiteiras envolvidas na Lava Jato. "Há cinco anos, seriam empresas que participariam da concorrência."

Além disso, os constantes atrasos de obras de metrô por parte do Estado sinalizam aos investidores que os cronogramas não se cumprirão.

Outro ponto citado para reduzir o interesse é a modelagem, já que a linha 5-lilás foi licitada junto com a 17-ouro, cuja viabilidade financeira é questionada por analistas.

AS LINHAS

Em construção desde 2012, a linha 17-ouro deveria pronta em 2014, para a Copa. Após vários atrasos, deverá ser entregue até 2019. Em formato de monotrilho, ela sai do aeroporto de Congonhas e seguirá até a estação Morumbi, da CPTM, na marginal Pinheiros.

Já a linha 5-lilás, que parte da estação Capão Redondo e vai até a estação Brooklin (ambas na zona sul), é atualmente gerida pelo próprio Metrô –e está em expansão. Até julho, o trajeto deverá chegar até a estação Chácara Klabin, onde conectará com a linha 2-verde. No caminho, ela ainda fará conexão com a linha 1-azul e a 17-ouro.

As obras de expansão da linha foram suspensas em 2010 após a Folha revelar que os vencedores dos lotes de construção já eram conhecidos seis meses antes da licitação. O caso segue na Justiça.

VENCEDORES

O leilão de concessão das linhas 5-lilás e 17-ouro definiu como vencedores duas empresas que são velhas conhecidas no setor de transporte paulistano.

Por um lado do consórcio, a CCR, uma gigante que atua com concessões de estradas, metrôs e até barcas. Do outro, a RuasInvest, parte do grupo que nasceu a partir de uma das mais antigas empresas de ônibus da capital paulista.

A CCR tem como principais acionistas a Camargo Corrêa (14,9% das ações totais), a Andrade Gutierrez (14,9%) e o grupo Soares Penido (14,7%). As duas primeiras empresas são investigadas pela Lava Jato.

Hoje, a empresa já opera seis concessões no Estado de São Paulo: a ViaQuatro (que administra a linha 4-amarela), a Autoban, a Viaoeste, a Novadutra, a Spvias e o trecho oeste do Rodoanel. A empresa ainda tem concessões de mobilidade no Rio e na Bahia.

"A empresa está com um bom caixa e tem ativos maduros entrando em curso de término, então vai ter que começar a refazer seu portfolio", afirma o Marcos Ganut, sócio da consultoria Alvarez & Marsal.

Já o RuasInvest, criado em 2004, é uma das empresas da família Ruas. O grupo cresceu em São Paulo explorando o transporte de ônibus na cidade.

No atual contrato com a Prefeitura de São Paulo, a família Ruas encabeça os consórcios em duas regiões da cidade. Seus ônibus são os que rodam identificados em São Paulo pelas cores vermelha (em parte da zona leste) e vinho (parte da zona sul).

Coincidentemente, a linha 5-lilás tem como trajeto, na zona sul da cidade, a área em que o grupo Ruas já opera com seus ônibus.

O grupo também é um dos donos da maior indústria de ônibus urbanos do país, a Caio. E desde 2006, ela participa com a CCR da concessionária que gerencia a linha 4-amarela.

Nesta semana, o governo do Estado anunciou que a RuasInvest deverá ainda adquirir 15% do consórcio responsável pela PPP que está construindo e deve também operar a linha 6-laranja do Metrô, que ligará a estação São Joaquim (zona sul) ao bairro da Brasilândia (zona norte).

A empresa entra ao lado de uma gigante chinesa no lugar de outras empreiteiras investigadas pela Lava Jato que não conseguem mais financiamento e abandonaram a obra.

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral - Apoio editorial: Revista Grandes Construções. Reprodução apenas com permissão dos editores e com o devido crédito.

Segurança e Privacidade