Notícias > Empresas
08 de fevereiro de 2018 - 19h23

Novo muro da USP: empresas associadas à Afeal formam consórcio para ajudar a viabilizar projeto

Recuperação Urbana

Fonte: Assessoria de Imprensa

A Afeal (Associação Nacional dos Fabricantes de Esquadrias de Alumínio) está contribuindo como protagonista para a execução do projeto do novo Muro da Universidade de São Paulo, entre o Campus Cidade Universitária e a Marginal Pinheiros. Para isso, formou um consórcio de empresas associadas que estão fornecendo tecnologia, conhecimento técnico e insumos para viabilizar a construção de uma estrutura que promete se tornar um ícone para a cidade de São Paulo.

O novo muro da Universidade de São Paulo substituirá o de concreto e as empresas que encabeçam o grupo são: Artalum, Luxalum, PWJ, Alumitre, GRFER, Inox-par, Schlegel, Dow Corning e CBA- Grupo Votorantim.

A coordenação das obras está a cargo da SMSO (Secretaria Municipal de Serviços e Obras) da Prefeitura de São Paulo. O projeto é assinado pelo escritório da arquiteta Jóia Bergamo. “Os materiais empregados por meio dessa parceria proporcionam uma montagem leve, limpa, com grande durabilidade e fácil manutenção, em um sistema de montagem em série, rápido e sustentável”, ressalta Bergamo sobre as qualidades do material fornecido pelas empresas

O corte e a usinagem dos perfis está sendo realizado pelas empresas Artalum, Luxalum, PWJ, Alumitre e GRFER. A Inox-par é responsável pelo fornecimento dos parafusos e chumbadores e, a empresa Schlegel, pelas guarnições. Já a Dow Corning fornecerá o silicone para a fixação do vidro e os perfis de alumínio serão doados pela CBA- Grupo Votorantim. Nas próximas etapas de execução do projeto, farão parte desse grupo a Cosbiem, que contribuirá com a instalação da estrutura, e a Sealway, que fornecerá as espumas dos vidros.

O presidente da Afeal, Antonio Antunes, durante a reunião do comitê gestor do projeto, com a presença do prefeito João Dória e do vice-reitor da USP, VahanAgopyan, chamou a atenção para o clima de união entre as empresas, muitas delas concorrentes no mercado. “A seriedade do apoio ao projeto que as empresas estão demonstrando, com a doação de materiais de grande qualidade sem contrapartida, mostra o poder da iniciativa privada quando busca os mesmos objetivos. Isso só ressalta o lema do setor de esquadrias de alumínio, que acredita cada vez mais "juntos seremos mais fortes”, ressalta Antunes.

Segundo o engenheiro e diretor técnico da Incorporadora Setin, Ricardo Monteiro Ferreira, responsável pela implantação do muro, afirma que “falamos em 2,5 km de extensão, 110 toneladas de aço, 2.500 m³ de concreto, 95 toneladas de alumínio, 700 estacas de fundação, 2.500 m de vigas, 9.000 m² de vidro, 2.000 parabolts, 2.500 m³ de entulho (muro antigo a ser demolido) e que será 100% convertido em Pista de Cooper e material para manutenção das calçadas”.

Sobre a importância da união da iniciativa privada ao contribuir com a viabilidade do projeto, Ferreira reforça que “os desafios estão sendo muitos, pois é uma obra vultuosa, onde capitaneamos mais de 50 empresas que toparam doar para cidade, sem nenhuma contrapartida, mais um novo marco para nossa megalópole, onde o projeto em questão não é um simples muro, mas uma grande cortina de vidro, alumínio e concreto”, explica.

Para Bergamo, “a mão de obra fornecida pela Afeal beneficiou com indescritível qualidade –  como faz com as de peles de vidro de fachadas de prédios -, o material de prateleira disponibilizado pela Votorantim”. Além disso, “o alumínio e o vidro são materiais de grande durabilidade, conferindo pouca manutenção ao projeto”.

De acordo com Ferreira, “essa grande cortina de vidro está sendo executada em uma largura de menos de 10 metros, sendo necessária toda logística e engenharia de ponta para o mínimo impacto no dia a dia da cidade”, ressalta.

O novo muro terá quatro metros de altura: três metros de vidro e um metro de concreto. O isolamento acústico é considerado igual ou superior ao do muro de concreto existente e todo o material utilizado é 100% reciclável. O material que será utilizado é cinco vezes mais resistente que o vidro comum, com 12 milímetros de espessura e película de proteção. Em caso de quebra, o vidro se fragmenta em pequenos pedaços que ficam aderidos na película. A reflexão se mantém dentro das normas de similaridade dos para-brisas dos carros.

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral - Apoio editorial: Revista Grandes Construções. Reprodução apenas com permissão dos editores e com o devido crédito.

Segurança e Privacidade