FECHAR
15 de abril de 2021
Voltar

Empresa catarinense investe em soluções sustentáveis para o mercado de construção

Há mais de 26 anos, o grupo Altenburg atua no mercado de não tecidos técnicos com a marca Ecofiber, empresa referência na fabricação de mantas de poliéster
Fonte: Assessoria de Imprensa

O mercado de não tecidos técnicos está em ascensão no país, impulsionado principalmente pela construção civil. tenta a essa demanda de mercado, há mais de 26 anos, o grupo Altenburg atua no mercado de não tecidos técnicos com a marca Ecofiber, empresa referência na fabricação de mantas de poliéster (lã de PET) para os segmentos moveleiro, têxtil, arquitetura e construção civil.

“No mercado da construção civil a Ecofiber é referência com suas soluções de conforto térmico e acústico com lã de PET, trazendo índices de resultados superiores aos estabelecidos em normas técnicas. Também somos a única empresa do segmento de Lã de Pet reconhecida pelo certificado do PBQP-H, Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat”, destaca Eduardo Volkart da Rosa, Gerente da Unidade Ecofiber.

O não tecido técnico também conhecido como manta de poliéster ou lã de PET é 100% reciclável e boa parte de seus insumos é de origem reciclada da garrafa PET que todos conhecemos.

O material é formado por um véu de fibras de poliéster, disposto em camadas e consolidado em um forno de até 4 metros de largura.

Possuem inúmeras car...


O mercado de não tecidos técnicos está em ascensão no país, impulsionado principalmente pela construção civil. tenta a essa demanda de mercado, há mais de 26 anos, o grupo Altenburg atua no mercado de não tecidos técnicos com a marca Ecofiber, empresa referência na fabricação de mantas de poliéster (lã de PET) para os segmentos moveleiro, têxtil, arquitetura e construção civil.

“No mercado da construção civil a Ecofiber é referência com suas soluções de conforto térmico e acústico com lã de PET, trazendo índices de resultados superiores aos estabelecidos em normas técnicas. Também somos a única empresa do segmento de Lã de Pet reconhecida pelo certificado do PBQP-H, Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat”, destaca Eduardo Volkart da Rosa, Gerente da Unidade Ecofiber.

O não tecido técnico também conhecido como manta de poliéster ou lã de PET é 100% reciclável e boa parte de seus insumos é de origem reciclada da garrafa PET que todos conhecemos.

O material é formado por um véu de fibras de poliéster, disposto em camadas e consolidado em um forno de até 4 metros de largura.

Possuem inúmeras características que podem ser ajustadas para diferentes necessidades, como densidade ou gramatura, largura, espessura, rigidez ou maciez, resistência, etc. Sua fabricação é totalmente automatizada e sem qualquer uso de água.

“A lã de PET é um produto inovador e sustentável, largamente utilizada em países desenvolvidos por sua reciclabilidade e facilidade de manuseio”, completa o executivo.

Para a construção civil, produtos Ecofiber, afirma, são utilizados em isolamentos acústicos para o sistema construtivo de drywall, steel frame e wood frame; em forros modulares para ambientes comerciais e corporativas; em painéis para tratamento acústico e térmico para ambientes como auditórios, salas de aula e igrejas, geradores; e mantas para isolamento acústico de ruído de impacto aplicadas abaixo do contra piso de empreendimentos imobiliários; entre outros usos.

“Já no mercado moveleiro e têxtil, as mantas a Ecofiber proporcionam mais conforto, suavidade ao toque e melhor acabamento em estofados, poltronas e colchões, além de comercializar fibras para enchimentos de travesseiros, almofadas, pelúcias, entre outros’, diz.

Com os recentes investimentos anunciados, a empresa ampliará sua capacidade produtiva. Hoje a Ecofiber distribui para o mercado mais de 200 toneladas de lã de PET por mês, abastecendo todo o Brasil e exportando para países como Uruguai, Paraguai, Argentina, Colômbia e Chile.

“Registramos 38% de crescimento em 2020 em comparação com o mesmo período de 2019 e, com os novos investimentos e a ampliação do parque fabril, a expectativa é de dobrar o faturamento e a capacidade produtiva da Ecofiber no médio prazo”, pontua o executivo.