ABRIR
FECHAR
23 de setembro de 2021
Voltar

Notas sobre os possíveis efeitos da crise da Evergrande

Análise da Ex Ante Consultoria Econômica feita por solicitação da Sobratema (Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração) para esclarecimento e orientação ao mercado
Fonte: Sobratema

Por Andrea Câmara Bandeira

Ganhou destaque nesta semana a situação financeira da segunda maior empresa do setor imobiliário chinês, a Evergrande Real Estate, fundada em 1996 e responsável por centenas de projetos em andamento no país e pela geração de um número considerável de empregos.

Com uma dívida de pouco mais de US$ 300 bilhões, a empresa tem tido recentemente dificuldades de honrar compromissos, alimentando o receio de calote, seguido de falência, com repercussões financeiras importantes, bem como com implicações para o setor imobiliário do país.

Segundo o noticiário, US$ 125 bilhões corresponderiam a dívidas escrituradas de curto prazo, sendo que a disponibilidade de caixa não chegaria a US$ 15 bilhões. Apesar da reação negativa dos mercados de ações em diversos países, a avaliação geral parece apontar para uma solução organizada.

Isso porque as dificuldades financeiras da Evergrande se relacionam, em grande medida, com a reorientação regulatória iniciada ainda no segundo semestre de 2020 pelo governo chinês, com o objetivo de conter o endividamento excessivo das incorporadoras, com medidas restritivas que abarcaram tanto a oferta quanto a demanda do mercado ...


Por Andrea Câmara Bandeira

Ganhou destaque nesta semana a situação financeira da segunda maior empresa do setor imobiliário chinês, a Evergrande Real Estate, fundada em 1996 e responsável por centenas de projetos em andamento no país e pela geração de um número considerável de empregos.

Com uma dívida de pouco mais de US$ 300 bilhões, a empresa tem tido recentemente dificuldades de honrar compromissos, alimentando o receio de calote, seguido de falência, com repercussões financeiras importantes, bem como com implicações para o setor imobiliário do país.

Segundo o noticiário, US$ 125 bilhões corresponderiam a dívidas escrituradas de curto prazo, sendo que a disponibilidade de caixa não chegaria a US$ 15 bilhões. Apesar da reação negativa dos mercados de ações em diversos países, a avaliação geral parece apontar para uma solução organizada.

Isso porque as dificuldades financeiras da Evergrande se relacionam, em grande medida, com a reorientação regulatória iniciada ainda no segundo semestre de 2020 pelo governo chinês, com o objetivo de conter o endividamento excessivo das incorporadoras, com medidas restritivas que abarcaram tanto a oferta quanto a demanda do mercado imobiliário, afetando, com isso, a geração de caixa das incorporadoras.

Como a Evergrande era uma das mais endividadas, suas dificuldades ficaram mais evidentes. Assim, a expectativa de muitos agentes e analistas é de que não ocorra um colapso financeiro descontrolado da empresa, mas sim um acordo entre a Evergrande e seus credores para reestruturação da dívida da empresa, com a liderança ou não do governo chinês. O envolvimento do governo em um plano como esse segue em aberto até o momento, o que tem contribuído para os temores dos agentes nos últimos dias.

Como a falência de uma empresa do porte da Evergrande teria repercussões econômicas importantes, muitos acreditam que o governo se envolverá na questão, principalmente para a conter a propagação da insolvência da empresa a proprietários de imóveis, investidores, empresas associadas e outras incorporadoras imobiliárias.

Por outro lado, há analistas que acreditam que o governo chinês pode não intervir, fazendo da empresa um “exemplo” para as demais incorporadoras, de que as mudanças e restrições regulatórias de 2020 para reduzir as dívidas e a alavancagem do setor valem para todas.

Nesse contexto, os efeitos da crise financeira da Evergrande para a economia brasileira dependerão (i) do encaminhamento de uma solução organizada (reestruturação negociada da dívida) ou não e (ii) do consequente impacto sobre o ritmo de crescimento da economia da China e da duração desse impacto, isto é, se este ficaria concentrado no curto prazo.

O setor chave é o da construção civil, cujo peso na economia chinesa é muito relevante (superior a 10% PIB). Grande consumidor de produtos siderúrgicos (relevante para a demanda chinesa por minério de ferro) e grande empregador, os impactos sobre o setor da construção podem ter repercussões relevantes para o ritmo de crescimento economia do país, com desdobramentos para os mercados de commodities, dada a relevância da demanda chinesa por esses produtos, para os mercados financeiros globais e para o comércio internacional.

Assim, é possível delinear impactos diretos e impactos indiretos.

Impactos diretos:

  • Impacto negativo sobre o setor da construção civil chinês, com outras imobiliárias sofrendo os efeitos do colapso da Evergrande, o que poderia contribuir para a desaceleração do crescimento econômico do país, em particular no curto prazo.
  • O impacto acima poderia, por sua vez, afetar negativamente a demanda por commodities, em especial por minério de ferro, insumo do setor siderúrgico, e demandado em larga escala pela China.
  • De forma complementar, um crescimento mais contido da economia chinesa, ao menos no curto prazo, poderia afetar a demanda pelas demais commodities metálicas e por commodities agrícolas, tendo um efeito baixista sobre os preços desses produtos.

Impactos indiretos:

  • Esse se daria principalmente por meio do efeito sobre variáveis macroeconômicas e financeiras, notadamente o prêmio de risco e ativos financeiros. No caso brasileiro, a principal delas seria a taxa de câmbio, que poderia se desvalorizar no curto prazo em resposta a um aumento do risco global, decorrente das repercussões financeiras de um calote em larga escala da Evergrande.

Repercussões para a economia brasileira:

  • Uma desaceleração econômica substancial da China, puxada inicialmente pelo setor imobiliário, pode afetar negativamente as exportações brasileiras para o país, principalmente de minério de ferro e de produtos agrícolas, o que, combinado com algum efeito baixista sobre os preços dessas commodities, teria um efeito negativos sobre os setores do agronegócio e indústria extrativa mineral, cujas exportações para o país são bastante relevantes, particularmente em termos de participação de mercado e receitas.
  • Uma desvalorização acentuada e permanente da taxa de câmbio no Brasil poderia reforçar as pressões inflacionárias, ainda que estas possam ser atenuadas pela queda dos preços das commodities nos mercados internacionais. Nesse contexto, o Banco Central poderia ser levado a conduzir uma política monetária ainda mais restritiva do que aquela esperada atualmente, com impactos mais acentuados sobre as perspectivas de crescimento para 2022, com repercussões negativas sobre (i) o setor da construção civil, particularmente o segmento da construção residencial, e (ii) as obras públicas, no contexto de redução da arrecadação prevista em decorrência do menor crescimento econômico.
  • Finalmente, a depender do grau de desaceleração do crescimento econômico chinês e da duração dessa desaceleração, as exportações brasileiras do setor produtor de papel e celulose para a China, um dos principais destinos dos seus produtos, podem sofrer algum impacto.

Av. Francisco Matarazzo, 404 Cj. 701/703 Água Branca - CEP 05001-000 São Paulo/SP

Telefone (11) 3662-4159

© Sobratema. A reprodução do conteúdo total ou parcial é autorizada, desde que citada a fonte. Política de privacidade